eventos e notícias

Acolhida relembra a vida de Madre Mazzarello Pastoral
Fonte: Moira Paula. Foto: Paolla Itagiba.

No último sábado, dia 13 de maio, as Filhas de Maria Auxiliadora em todo o mundo comemoraram o Dia de Santa Maria Domingas Mazzarello, mais conhecida como Madre Mazzarello. Por isso, a acolhida na sexta-feira, dia 12, no Instituto Nossa Senhora da Glória (INSG Castelo) de Macaé-RJ contou um pouco da história de Santa Maria Mazzarello, em um momento de reflexão e oração para os alunos do ensino fundamental. 

 

A coordenadora da Pastoral Escolar, Ir. Inarlete Fioresi, apresentou, por meio de textos, a caminhada de dedicação às crianças do povoado de Mornese, onde Madre Mazzarello promovia oficinas de costura, dirigia o orfanato e recreação aos domingos. Durante o intervalo das aulas, foram entregues cartões com frases de Mazzarello para os alunos.

 

Madre Mazzarello

 

Maria Domingas Mazzarello nasceu no dia 9 de maio de 1837, em Mornese - norte da Itália, sendo a primogênita de uma família de dez filhos. Ainda menina frequentou as aulas de catecismo e sobressaiu-se, tendo na adolescência um notável caráter e espírito de liderança. Trabalhou no campo ajudando a família, mas em 1860 contraiu tifo, ao ajudar seus familiares na recuperação da doença.

 

Com a impossibilidade de trabalhar no campo, cursou costura e começou a ensinar as jovens, juntamente com sua amiga Petronilha. Em um passeio rotineiro, passou diante de um edifício onde havia crianças brincando e ouviu a seguinte frase: “Tome conta destas meninas! A ti as confio!”. A partir daí as famílias começaram a mandar as filhas para que Maria Mazzarello treinasse sua virtude, através das aulas de costura. Logo, um viúvo solicitou que ela educasse suas filhas, foi quando a sala de costura se tornou um lar para várias meninas.

 

Só no ano de 1964 Dom Bosco foi a Mornese para iniciar um projeto de construção de um colégio para meninos. Neste contexto, Dom Bosco conheceu a obra de Mazzarello, sugerindo então a fundação de um instituto feminino que fizesse pelas meninas o que ele fazia para os meninos.

 

Já em 1872, Main (como também era chamada) proferiu os votos religiosos e se consagrou a Deus. Ocupou-se com a abertura de novas casas na Itália e no mundo. Em maio de 1881, Madre Mazzarello faleceu, deixando o legado às suas filhas (as Filhas de Maria Auxiliadora presentes em cinco continentes) que continuassem atuando no espaço-educação por meio de uma identidade que lhes é própria e com a missão que lhes cabe no coração da Igreja. Após 145 anos Madre Mazzarello ainda é sinônimo de dedicação pela educação de crianças, adolescentes e jovens.